terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Por que ter um personal trainer?

Por Suellen Vilela


Personal trainer nada mais que um professor particular que planeja todos os exercícios físicos que devem ser feito de acordo com a necessidade e disponibilidade de cada pessoa. Ele trabalha com o condicionamento físico individual e essa atividade pode ser feita na academia, no parque, no trabalho ou na comodidade da casa da pessoa.

Segundo o personal trainer, Eduardo Lima, as vantagens são várias. “A disponibilidade de lugar e tempo é uma delas, também é mais difícil a possibilidade de possíveis lesões durante os treinamentos e a uma das principais é rapidez em alcançar os objetivos”, garante Eduardo.

Quando o personal é procurado ele faz uma avaliação física da pessoa, para daí fazer um planejamento de atividades físicas que respeitará a individualidade, direcionado para os objetivos. O preparador físico do Náutico e também personal trainer, Cléber Queiroga, disse que tem um aluno que não gosta muito de academia, mas para estes casos são traçados outros planos. “Ele resolveu alugar um clube e comprar alguns materiais que usamos nos treinamentos físicos dos jogadores. Assim trabalhamos em cima dos seus objetivos mais com exercícios que dão prazer a ele.”

Para quem quer contratar esse profissional a recomendação é que pergunte se ele está credenciado pelo Conselho de Educação Física. O preço da aula é de aproximadamente R$ 50,00, a hora. Mas é preciso lembrar também, que o local fica pos conta do aluno.

Exercício e gravidez: uma dupla possível

A gestante que pratica exercícios especiais ganha menos peso, aumenta a tolerância à dor e consegue reduzir a duração do parto normal.





Por Scharlene Mikelle

Durante o parto normal, a mulher relaxa alguns músculos e contrai outros — principalmente os abdominais. Para a criança nascer sem problemas, ela precisa coordenar esses movimentos. Os exercícios que aumentam as forças dos músculos abdominais ou diminuem a resistência dos músculos da pélvis (região inferior da barriga, por onde passa o bebê) reduzem o tempo e a dor do parto. Em alguns casos, o parto normal não ocorre por falta de coordenação desses músculos. Uma criança só nasce em parto normal quando as forças orgânicas que a empurram para baixo são mais poderosas que as resistências que a sustentam.

De acordo com a ginecologista e obstetra, Silvana Fittipaldi, ainda hoje inúmeras mulheres grávidas têm receio de fazer exercícios físicos, uma vez que já foram considerados um tabu. "As mulheres eram aconselhadas a ficar em pé o mínimo possível, levando uma vida sedentária. Hoje é o contrário. Recomendamos que faça atividade física durante toda a gravidez, exceto para aquelas mulheres que apresentam complicações na gestação".

Muitos desconfortos comuns na gravidez, como a tendência à formação de varizes e dores nas costas podem ser aliviados pela prática de exercícios. Silvana afirma que as grávidas podem aumentar a resistência cardiorespiratória e a resistência muscular, o que ajuda durante o trabalho de parto (principalmente no parto normal) e também fortalece e tonifica os músculos mais afetados durante a gestação: os músculos da pelve, os abdominais e os lombo dorsais. "Além disso, os exercícios também melhoram a circulação sangüínea, reduzindo o inchaço e as cãibras nas pernas".

Um estudo de 1989, publicado pelo American Journal of Obstetrics and Gynecology mostra que as mulheres que haviam se exercitado com moderação e regularidade durante a gravidez, acharam o parto menos doloroso e tiveram uma recuperação pós-parto mais rápida.
Manter-se ativa fisicamente, ajuda no controle de peso e promove o bem estar e ânimo.




Dicas importantes:

- Mulheres grávidas podem se exercitar pelo menos 3x por semana;
- Começa devagar e avança gradualmente no programa, sempre com o acompanhamento de um profissional;

- Parar os exercícios e consultar o médico, caso os sintomas incomuns aparecerem, como dores, tontura etc;

- Não prender a respiração durante os exercícios;

- Retornar gradativamente a sua rotina de exercícios, um mês após o parto;

- Usar roupas adequadas, que não apertem a barriga e outras que reforcem os seios;

- Em clima quente, exercitar-se em horários mais frescos;

- Beber muita água;

- Monitorar o pulso, de acordo com a orientação do professor;

- Não deitar sobre a barriga após os três primeiros meses;

- Não fazer exercícios de alto impacto;

- Ter cuidado com a intensidade dos exercícios.




Atividades seguras:


- Exercícios aeróbios como caminhada, natação, ciclismo, hidroginástica, entre outras;

- Musculação ou ginástica localizada;

- Alongamentos;
- Ioga.






















terça-feira, 27 de novembro de 2007

Mais sabor na dieta



Por Roberta Correia


Você já pensou em fazer dieta? Milhares de pessoas todos os dias enfrentam a dificuldade de entrar em forma de uma maneira simples e gostosa. Isto porque a palavra “regime” é diretamente associada à proibições. Afinal, tudo que é gostoso ENGORDA. Para desmistificar isto, a empresaria do Spa Oasis, Ana Cláudia Correia de Araújo, lançou recentemente o livro “Mais sabor na dieta IG”, que aposta em uma maneira simples e saudável de emagrecer a partir do controle do Índice Glicêmico.
A dieta do IG não restringe o uso dos carboidratos em geral, porém seleciona aqueles que, são absorvidos pelo organismo em menor quantidade, produzindo um aumento gradual da glicose e da insulina sanguínea, que tem como conseqüência uma perda de peso sem sacrifícios. “A ingestão de alimentos baseados no índice glicêmico diminuído, proporciona um aumento da sensação de saciedade na pessoa, facilitando consideravelmente a execução da dieta, bem como sua manutenção a longo prazo”, explicou Ana Cláudia Correia de Araújo.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Usos de suplementos alimentares e anabolizantes por adolescentes

Por Janaína Rezende
Na ansiedade por conseguir resultados rápidos com a musculação muitos adolescentes recorrem ao uso de alguns produtos como, por exemplo, os suplementos alimentares. Normalmente eles são usados por esportistas e destinados a complementar a dieta normal, tanto em calorias como também em proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas, minerais e fibras, dependendo da necessidade de cada pessoa.
Os suplementos alimentares podem ser vendidos em cápsula ou em pó. Para serem comercializados devem ser autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa). Existem vários desses produtos no mercado em valores que podem variar de R$ 20 à R$ 200. A endrocrinologista Telma Cristina Silva alerta que os suplementos podem ser adquiridos sem receita médica, com isso os jovens têm liberdade de comprá-los. " Acho que o importante para a garotada, principalmente os que praticam algum tipo de modalidade esportiva, é manter uma alimentação balanceada a base de proteínas, carboidratos, fibras. Nunca recomendei o uso de suplementos," afirma.
Um outro tipo de produto que está sendo utilizado com muita freqüência por jovens, principalmente pelos meninos, são os anabolizantes. Esses são hormônios sintetizados feitos em laboratórios para serem usados quando a pessoa sofre de atrofia muscular ou tem um defictit de hormônio. Eles podem ser utilizados em forma de comprimido, cápsula ou com injeção ultramuscular.
O uso indevido dessas drogas podem ocasionar inúmeros problemas. Tanto em meninos com também em meninas. Nos homens podem causar redução da produção de espermatozoides, impotência, dificuldades e dor em urinar, calvície e crescimento irreversível das mamas (ginecomastia). Já nas mulheres, o aparecimento de sinais masculinos como engrossamento da voz, cresciemnto excessivo de pelos no corpo, perda de cabelo, diminuição dos seios, pelos facias ( barba). Além disso, os dependentes de anabolizantes podem chegar a desenvolver comportamentos violentos, irritabilidade, efeitos negativos nas relações com as pessoas e até problemas de esquecimento ou confusão.
O professor Marcio Wanderley afirma que os anabolizantes podem ser encontrados em drogarias e farmácias e é necessário receita médica para serem comercializados. " Apesar de não serem vendidos sem prescrição de um especialista, não é muito difícil achar anabolizantes. Nas próprias academias eles podem ser encontrados . Eu já vi até professores vendendo a alunos. Isso claro que não é lícito, mas infelizmente acontece", diz.
Os anabolizantes não são consideradas drogas que induzem o uso de outras, porém seus usuários podem ficar dependentes. É o caso do estudante Romilson Pessoa, 17 anos. Mesmo utilizando o produto há dois, ele afirma que ainda não está satisfeito com seu corpo. " Eu já tentei parar de usar, mas não consigo. Fico com a impressão de que estou perdendo massa muscular. Confesso que isso é um vício."


Exercícios físicos na terceira idade

Por Suellen Vilela



Quando as pessoas chegam à terceira idade acham que não devem mais procurar uma academia porque acreditam que exercício físico é coisa de gente jovem. Mas é um engano. Criar uma simples rotina de exercícios pode além de distrair, ocupar o tempo ocioso e aumentar a força e a disposição.
A prática de atividades melhora a resistência e o condicionamento físico, e melhoram também as condições ósseas, que ficam mais fortes e dão mais estabilidade no caminhar, podendo impedir pequenas quedas e desequilíbrios.
Segundo o personal trainer, Eduardo Lima, antes mesmo de procurar uma academia, a pessoa deve ir ao médico. "É sempre muito importante ter o respaldo médico, porque é ele quem vai dar condição ao instrutor de fazer um planejamento de acordo com o limite de cada um", alertou o personal, que acrescentou ainda que o trabalho deve ser feito com critérios de acordo com idade, sexo, nível de flexibilidade e coordenação motora.
Uma vez feita a avaliação, o profissional vai trabalhar em cima desse resultado. "Vendo as limitações, planejamos para não ultrapassar nem física nem organicamente os limites daquela pessoa", afirmou Eduardo que disse também que tudo deve ser feito tudo com muito cuidado para que a pessoa se sinta confortável durante a prática.
Eduardo Lima afirmou que existe um certo preconceito em relação à musculação, mas que ela é muito boa para essa faixa etária também. "As pessoas acham que podem acabar pegando alguma carga que vai machucar ou até piorar uma situação." Ele afirmou também que outra modalidade muito boa, principalmente na fase inicial, é a hidroginástica. "Ela por ser dentro da água e longe do efeito da gravidade, faz a pessoa se sente muito confortável ao praticar."
Mas para os que insistem em fazer atividades por conta própria, não podem abrir mão da avaliação física e médica. "Isso é importante para cada um saber suas condições e não sair se aventurando e se machucar", lembrou o personal. Ele disse ainda que a caminhada é muito indicada para essas pessoas. "Mas não pode esquecer de fazer um alongamento antes." O tempo da caminhada é até quando ela se torna confortável. Mas a média é de 30 minutos e deve ser feita no mínimo três vezes na semana.
É importante lembrar que exercícios físicos regulares, realizados periodicamente e bem orientados, nos ajudam a manter uma boa qualidade de vida. Ajudando também a manter a auto-estima, garantindo uma vida mais feliz e produtiva.

Muito além do consultório médico


Por Scharlene Mikelle


Não é à toa que os povos orientais gozam de uma melhor qualidade de vida, podendo chegar a faixa dos 90 anos com uma estrutura física capaz de desbancar muitos jovens. O segredo? Está na prevenção. Segundo a quiropata Nadja Guida, a saúde impecável dos orientais vai além de uma boa alimentação e da prática de exercícios. "Para eles, a meditação é o primeiro passo para evitar o estresse também uma patologia, proporcionando mente e corpo saudáveis." Ela explica que a meditação consiste de práticas diárias envolvendo essencialmente concentração da atenção. Embora apareça com uma aura mística, sua prática regular proporciona vários benefícios e aperfeiçoamentos práticos, como descanso físico, mental e emocional, maior auto-liderança, senso de identidade mais livre, dentre outros.
Bem como a meditação, a sociedade oriental é adepta das terapias alternativas ou tratamentos alternativos. Pois bem. Terapia é o exercício da Terapêutica que, pelo dicionário do Aurélio, significa "a parte da medicina que estuda e põe em prática os meios adequados para aliviar ou curar os doentes".
Apesar do avanço da ciência em geral e da medicina em particular, muitas pessoas com problemas de saúde, inclusive algumas com problemas mais sérios, recorrem aos para métodos de tratamentos alternativos, que ainda não são confirmados cientificamente, porém, servem como complemento dos tratamentos patológicos.
No Brasil, o maior centro de terapias holísticas (que significa qualidade e bem-estar), é o Shangri-Lá, localizado em São Bernardo do Campo, em São Paulo. O Shangri-Lá já profissionalizou mais de 3.200 alunos que hoje aplicam as técnicas por todo o Brasil. Em Recife, o Instituto Guida de Terapias Orientais, situado no bairro da Torre, é referência de práticas alternativas na cidade.
A procura maior é de pessoas que já possuem uma patologia. "Geralmente são pessoas que já fizeram tratamento com acompanhamento médico e ainda se queixam de dores", ressalta a quiropata Nadja Guida. Isso porque, no Brasil, a maioria dos médicos não acredita que essas terapias tenham o poder de propiciar a cura de patologias. "Nos EUA e Canadá, esses métodos já estão sendo usados como prevenção de doenças. Aqui, as pessoas só recorrem no último caso", explica Nadja Guida. Com exceção da acupuntura (única especialidade reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina), os médicos, acreditam que ninguém precisa se privar de terapias que propiciem bem-estar, porém deve-se lembrar que elas não substituem consultas nem exames médicos.
Conheça um pouco das terapias alternativas que os estudiosos afirmam ser o segredo dos orientais atingem os seus noventa e tantos anos, com vitalidade.

Shiatsu – desenvolvida no Japaão, a técnica é indicada para prevenir e tratar doenças como: dores na coluna vertebral, articulações, insônia, dormências, inchaços nos pés e nas nas mãos, asma, tensões pré-mestruais, dentre outros. A técnica utiliza apenas as mãos, fazendo técnicas de pressão, percussão, fricção, vibração, pinçamento e imposição de dedos e mãos em pontos e áreas específicas do corpo, além da movimentação de articulações e manipulação de estruturas músculo-esqueléticas com o objetivo de atuar na circulação "energética". É indicado para todas as idades, com exceção de grávidas, uma vez que, a estrutura da mulher está modificada.
Quiropaxia Indiana, Quiropraxia Palmer (ocidental) – são as áreas da saúde que se dedicam ao tratamento de problemas do sistema músculo-esquelético. Por meio de técnicas de terapia manual, exercícios e orientação postural, os quiropraxistas ou quiropatas procuram diminuir a dor e tensão, restaurando a movimentação normal.
Seitai – utiliza auxílio do martelo e de instrumentos apropriados (moldados conforme a vértebra) que servem para reajustar a coluna.
Reflexologia, ou terapia por zona, é uma prática que estimula pontos nos pés, mãos ou orelhas (chamados de zona de reflexo), acreditando que isso trará efeitos benéficos em algumas partes do corpo ou melhorará a saúde geral. A forma mais comum é a reflexologia dos pés. Os praticantes acreditam que o pé seja dividido em zonas de reflexo que correspondem a todas as partes do corpo. É contra-indicado para pessoas que têm câncer, pois mexe com as células nervosas.
Reiki - Reiki é a possibilidade natural, ao seu alcance, de você se tornar mais saudável. Pela transferência de Energia Vital, através do transmissor para um receptor, é alcançada a harmonia energética em todos os níveis do indivíduo. Por meio da energia das mãos, trabalha nos pontos vitais do corpo humano.
Ioga – técnica indiana que une exercícios, relaxamento, controle respiratório e meditação. Usada no Ocidente, até pouco tempo, apenas com essas finalidades relaxar, controlar respiração e meditar. Recentemente, porém, ocorreu uma transformação significativa na maneira como o Ocidente vê a ioga. Ela se transformou num poderoso auxiliar no tratamento de doenças, com eficácia comprovada por vários estudos acadêmicos. Os testes clínicos mostraram que a ioga, aliada à medicina convencional, pode ter um papel importante no tratamento de doenças, como: hipertensão, diabetes, depressão, asma, artrite e alcoolismo.Neck – distenciona a área do pescoço através das mãos, prevenindo enxaqueca e torcicolo.
Terapia Auricular – método usado no combate ao tabagismo. Desenvolvido recentemente, é um método não invasivo, tornando mais confortável para o fumante do que o ponto cirúrgico. Consiste em uma única aplicação de dois minúsculos selos aderentes totalmente invisíveis. Eles são descartáveis, vão permanecer por quinze a vinte dias, em um local bem definido do pavilhão de uma das orelhas. Trate-se de uma forma de "sensibilização". Nenhuma medicação, radiação, choque, pressão ou calor esta sendo aplicada ou utilizada.
Acupuntura – Trata diversos males estimulando pontos do corpo com agulhas, impulsos elétricos, calor ou laser.
Aculpuntura coreana – Diferente da chinesa que as agulhas são colocadas ao longo do corpo, utiliza só as mãos. Cura cefaléias, cólicas mestruais, problemas na coluna, dentre outras patologias.
Aromaterapia – Usa óleos essenciais perfumados, que teriam propriedades calmantes, entre outras.
Cromoterapia – Acredita em propriedades terapêuticas da energia luminosa de cada cor. O azul, por exemplo, seria calmante.
Fitoterapia – Prescreve chás de plantas para sintomas como tosse e constipação.
Florais de Bach – Utiliza essências de flores contra problemas como cansaço, depressão, stress e pânico.
Geoterapia – Preconiza o uso da argila na prevenção de doenças.
Hidroterapia – Acredita no efeito da aplicação de água quente ou fria sobre a circulação e o stress, entre outros.
Iridologia – Trata-se de uma técnica diagnóstica. Pelo exame da íris dos olhos, seria possível identificar doenças.
Massoterapia – Manobras de massagem são utilizadas contra artrites, artroses, fadiga muscular e traumatismos.

Musculação na adolescência

Por Janaína Rezende
A busca pelo corpo perfeito. Esse é o motivo que faz muitos adolescentes procurarem praticar cada vez mais cedo a musculação. Entre os meninos, a atividade visa o ganho de massa muscular (hipertrofia) . Já as meninas, na grande maioria das vezes, pretendem se livrar dos quilinhos que estão sobrando e adquirir um corpo definido.
A musculação é uma atividade que o músculo realiza em função de uma carga, contra a força da gravidade. Qualquer pessoa que não sofra de cardiopatias cogênitas (problemas na estrutura e função do coração), e doenças graves como câncer, por exemplo, podem praticá-la . Antes de iniciar qualquer modalidade esportiva é necessário que se faça uma avaliação física. Geralmente as academias de ginástica dispõem desse serviço, realizado por um profissional habilitado da área. Isso não vale só para jovens, como também para idosos, adultos ou até mesmo as crianças precisam passar por esse processo.
De acordo com o professor de Educação Física, Márcio Wanderley, 28 anos, a melhor idade para que um jovem comece a fazer musculação é aos 16 anos. Todavia, se for bem acompanhado por um professor nada impede que se pratique antes. "Nessa idade o corpo já está no final da maturidade. Mas nós sabemos que eles não esperam até lá. Pode-se até começar mais cedo, só que respeitando o desenvolvimento físico de cada adolescente’’, diz.
Apesar de estudos e pesquisas sobre a prática da musculação na adolescência, ainda existem dúvidas sobre o assunto. Os pais dizem que têm medo de deixar seus filhos praticarem musculação porque causa impacto nas epífises dos ossos longos( extremidades), ocasionando a parada do crescimento. Segundo o profissional da área de Educação Física, Diego Abreu, 24 anos, ao contrário do que muitas pessoas afirmam, a musculação não paralisa o crescimento do adolescente. "A musculação libera a Somatropina (hormônio do crescimento), além disso, promove a formação de cálcio nos ossos", diz.
Além de ajudar no crescimento os exercícios musculares trazem também outros benefícios como: fortalecimento dos músculos, estimulação da massa óssea, aumento da coordenação motora, resistência física, melhoria na capacidade respiratória e na composição corporal, ou seja, auxilia nos processos de emagrecimento e ainda modela o corpo, entre outros. Segundo o estudante João Gabriel, 15 anos, em apenas um mês de malhação ele já está sentido grande diferença. "Entrei na academia porque estava gordinho, agora já tenho três quilos a menos. Além disso estou me sentindo mais disposto", afirma.
Já Marcelo Carvalho, 17 anos, diz que a prática da musculação não faz só bem ao corpo, mas também à mente, principalmente agora que se aproxima o vestibular, momento de tensão para qualquer adolescente. " Eu já malho há dois anos. Antes meu objetivo era ganhar massa muscular, mas aos poucos fui percebendo que a musculação está me ajudando psicologicamente também. Quando entro em uma academia deixo todos as minhas preocupações de lado."
O grande problema entre a maioria dos jovens em relação à pratica dos exercícios de musculação é que a obsessão por um corpo malhado faz eles extrapolarem os limites, e acabarem se prejudicando. Foi o caso de um garoto de 16 anos que preferiu não se identificar. Ele começou a malhar quando tinha 14 anos por incentivo dos amigos do colégio. Por achar que não estava ficando musculoso como queria, o menino aumentou consideravelmente a carga e o tempo do treino , e isso lhe trouxe problemas . "Eu malhava acompanhado por um instrutor, mas nunca segui a risca o que ele me dizia. Atualmente estou com uma lesão no menisco( osso do joelho), para me recuperar faço fisioterapia."
Segundo o professor Diego Abreu, a maioria das academias da Região Metropolitana do Recife não tem a preocupação em promover um trabalho específico com adolescentes. " O cuidado com o jovem fica mesmo sob a responsabilidade do instrutor. É muito complicado, pois eles procuram uma academia querendo resultados rápidos, mostrar a um adolescente os perigos da musculação em excesso não é nada fácil." O profissional afirma também que o treino desenvolvido para um adolescente deve ser diferenciado. " Os exercícios devem ser feitos em uma intensidade de leve a moderada, com uma duração de trinta minutos e apenas três vezes por semana."